sou feminista: posso emagrecer?

Emagrecer ou não emagrecer? Eis a questão femista. A resposta pode ser um sonoro não para alguns grupos, já outros acreditam sim. Eu pessoalmente acredito que é algo que somente a mulher pode decidir por si mesma. Muitas mulheres escolhem emagrecer por questão estética mas também devemos lembrar que existem outros motivos que levam alguém ao emagrecimento, e que cabe somente à ela decidir.  Sempre que falo isso em algum debate feminista ou em alguma discussão pela internet, recebo algumas respostas, então vou colocar aqui observações sobre elas e sobre o quanto nosso limite não é o mesmo limite do outro:

”tem que ensinar a mulher a se aceitar, não a emagrecer” 

Tem que ensinar a se aceitar, tem que ensinar a se amar, tem que ensinar que a mulher não é um robô e que pode sim tomar a decisão que achar mais adequada pra ela, pra vivência dela. Eu aceito partes do meu corpo e não aceito outras. Já odiei partes que hoje amo e já amei partes que hoje odeio. Não é algo estático então depende exclusivamente do tempo da própria mulher pra se gostar, não dá pra impor amor próprio, e enquanto esse amor não é definitivo, o conforto pessoal deve ser preservado.

”feminista que quer emagrecer se vende pro sistema”

Todos nós estamos inseridos em um sistema que nos oprime em diversos níveis. Mesmo que contra, não estamos totalmente livres de praticar coisas que colaborem com o sistema pois fazemos parte dele. Colaborando com o sistema ou não, não podemos ignorar que pessoas têm sentimentos, sensações… Passamos a maior parte da vida recebendo mensagens de que emagrecer é melhor do que ser gorda e isso não se desconstrói de um dia pro outro, não se  injeta nas pessoas a sensação de que elas já se amam e se aceitam. Isso leva tanto tempo pra algumas mulheres e pouco tempo pra outras, portanto padronizar quem não deve emagrecer é um tipo de opressão, ainda que não estrutural, mas também fere o tempo pessoal de cada mulher pra lidar consigo mesma. Ser xingada, humilhada, ridicularizada são só algumas das coisas pelas quais as mulheres fora do padrão passam, temos que combater o sistema que trata as mulheres assim como se fosse justo, não combater as mulheres que buscam não sofrer mais dessa forma.

”é hipocrisia ser feminista e querer perder peso”

Feministas não são pessoas exclusas do restante da sociedade. Nós também estamos diariamente em contato com os padrões internalizados em nós desde que nascemos. Lutamos pela liberdade e por direitos não nos torna blindadas automaticamente. Feminismo é um movimento social e como todo movimento social, envolve pessoas. Obviamente o ideal é que todas nós tenhamos conforto em ser como somos, longe dos padrões, mas um ideal não é realizado sem respeito ao tempo que isso leva pra acontecer.

”se quer emagrecer e é feminista, então é libfem (feminista liberal)’

Primeiro que feministas liberais também são mulheres e também são feministas, então não usem isso como ”ofensa”. Segundo que não acredito que seja muito inteligente dizer para uma mulher o tipo de feminismo que ela prefere, sem que ela tenha dito expressamente. Terceiro que ninguém está no corpo, lugar e vivência da feminista que quer emagrecer pra saber como ela se sente exatamente. Ninguém pode dizer pra uma mulher se ela pode ou não emagrecer por ser feminista pelo simples fato de que não faz parte do seu direito enquanto ser humano julgar a decisão de alguém.

 

Nós temos uma vida com começo, meio e fim, seria de um egoísmo absurdo exigir que uma feminista que quer emagrecer não o faça, já que o nosso tempo de vida é finito e até o fim chegar, somente ela sentirá o desconforto de passar a vida se sentindo inadequada. Devemos sim incentivar que todas as mulheres percebam o quanto seus corpos não são errados, devemos sim mostrar que tudo o que sabemos sobre beleza foi construído pela opressão, tanto do patriarcado quanto do capitalismo. Devemos sim mostrar que se amar é parte essencial para acabar com o machismo, entretanto estamos lidando com pessoas e certamente respeitar o limite, espaço e conforto delas em suas vivências é o primeiro passo para a sororidade.

 

 

 

 

 

 

Desabafo: escolhas e o feminismo

Esse texto foi escrito enquanto eu me espremia inteira pra conseguir dizer essas coisas. Não me sinto amparada neste minuto e espero que passe. Tenho lido nas redes sociais diversas opiniões, diferentes umas das outras, sobre feminismo e isso é bom, já que o debate e o questionamento são sempre válidos. Porém, algumas coisas me incomodam profundamente e me desamparam. Não tenho o hábito de escrever ”feminismo só para feministas” mas esse texto é um desabafo para minhas companheiras. Sim, estou angustiada.

Logo que conheci o feminismo soube que ele busca e representa a liberdade da mulher, a liberdade de escolha de TODAS as mulheres. Eu fiz escolhas: comecei a lutar com muitas outras mulheres maravilhosas que conheci na causa. Percebi que os padrões sociais, de beleza, de relacionamentos, de comportamento etc eram opressores e que eu não deveria julgar uma mulher que quer fazer parte deles porque por anos fomos condicionadas a querer isso, fomos educadas para isso. A culpa não é nossa. Percebi também, depois de muitos tombos, que poderíamos escolher por ser/estar/fazer algo nos padrões, já que  o conforto consigo mesma é o mais importante para se viver bem. A partir daí, o feminismo cresceu em mim como um bebê recém nascido e bem alimentado. Eu poderia ser o que quisesse. Eu poderia escolher ser dona de casa ou trabalhar fora. Eu poderia escolher me casar ou não, ter relações abertas e poliamoristas ou monogâmicas. Eu poderia me depilar, maquiar, andar de salto e roupa comprida ou não me depilar e só usar saia curta, sem maquiagem. Eu poderia ter filhos ou adotar 20 gatinhos que precisam de um lar. Eu poderia TUDO e minhas escolhas seriam abraçadas: você se sente melhor assim? É assim que você fica feliz em sua vida? Vá em frente, feminismo é liberdade. E de fato, fui recebida assim em muitos núcleos feministas.

Então, iniciei o processo de desconstrução dessas coisas: eu não PRECISAVA estar no padrão. Mas eu PODERIA escolher. Porém nos últimos tempos, tenho me sentido desamparada cada vez que leio de alguma companheira coisas do tipo ”monogamia é opressora, então ser monogâmico é super problemático.” Penso que ninguém É monogâmico. As pessoas ESTÃO monogâmicas porque nada impede que se entre em um outro tipo de relação a qualquer momento. Penso também que se qualquer mulher se sente confortável (consigo mesma e com o/a outro/a) em uma relação monogâmica, tendo consciência de que não precisa ser OBRIGADA a isso, não há nada de problemático. São pessoas, mulheres, adultas e fazendo escolhas sobre a própria vida. Já temos o resto do universo nos dizendo o tempo todo como ser e agir. Já temos o julgamento da religião, do governo, da família, dos amigos, do emprego… Temos julgamentos motivados pela obsessão pulando de todos os lados na nossa cara, no nosso corpo, nas nossas relações. Se eu quero emagrecer, por exemplo, se é assim que vou me sentir melhor comigo mesma, e tendo consciência de que não preciso ficar magra pra sempre, minha escolha deve ser tão respeitada quanto das mulheres que se amam como são, que lutam diariamente pelos seus corpos em diversas formas, tamanhos e cores.

TODAS AS MULHERES devem ter seu direito de escolha garantido. Principalmente nos espaços feministas. Principalmente.

Feminismo, dentro de mim, representa todas as possibilidades do mundo: nós, mulheres. Nós somos infinitamente possíveis, e por isso, dentro ou fora dos padrões, que o respeito às escolhas seja a maçaneta da imensa porta que é a igualdade.

ps.: peço desculpas se em algum momento do texto fui grosseira ou desrespeitosa com alguém. É um desabafo e escrevi afobada. Caso tenha ferido alguma pessoa, me retrato antecipadamente.