feminismo diagonal: o início e o não fim

Há algumas semanas atrás eu e algumas amigas feministas estávamos conversando sobre como não nos identificamos totalmente com nenhuma corrente do feminismo, embora tenhamos opiniões que se cruzam com partes de algumas (naturalmente, já que convivemos diariamente com companheiras de diferentes vertentes e aprendemos o tempo todo com todas elas). Dessa conversa nasceu um grupo no facebook chamado FEMINISMO DIAGONAL. Ok. Inicialmente o grupo surgiu pra que elas, eu, amigas e amigos nossos, conhecidos entre si ou não, pudéssemos debater essas ideias entre nós. Depois de poucos dias, amigos e amigas foram adicionando mais amigos e amigas de todos os tipos de cor, religião,  gênero, idades, visões políticas etc. Muita gente estava ali então regras foram criadas pra boa convivência do grupo, e essas regras foram baseadas nessas ideias que nós temos sobre feminismo, afinal, é um grupo fechado e como todos os outros grupos fechados, tem regras própria. Não se pode agradar todas as pessoas, então do mesmo modo que saí de muitos grupos por não me sentir segura neles, entendo quem não quis ou não quer ficar no grupo diagonal por não se sentir bem. Ninguém precisa concordar comigo, com o grupo ou com qualquer coisa no mundo. E inclusive está escrito em letras garrafais na descrição o objetivo do grupo e que auto-preservação importante. Eu não me sinto segura em muitos espaços feministas e me auto preservo deles sem precisar unir pessoas para caçoar de quem está no grupo ou concorda com ele.

Depois de observar todos os debates e conversas que diariamente ocorrem no grupo, decidi que meu TCC seria sobre isso, com problematização de coisas que discordo nas correntes e posteriormente, no mestrado, a apresentação de propostas alternativas para a militância. Vejam bem, eu me considero uma mulher feminista e militante. Como TODAS as mulheres, eu TENHO o direito a escrever um trabalho sobre minha vivência no feminismo. Como TODAS as mulheres, eu tenho o DIREITO de ter minhas ideias e não me concordar com outras ideias. Vocês também têm o direito de não concordar com as minhas, só não podem se unir pra fazer chacota e me tratar com desprezo e deboche por eu propor algo. Em que mundo é considerável que pessoas de uma causa hostilizem outras que se dispõem a fazer algo? Em que lugar de uma causa social as próprias militantes julguem, apontem, fofoquem e mintam sobre uma companheira de causa que criou um grupo no facebook e escolheu um tema pro TCC com base em ideias próprias? Ideias essas que SIM, JÁ FORAM EXPOSTAS PARA ACADÊMICAS DA ÁREA QUE NÃO SÓ ABRAÇARAM A IDEIA COMO SE DISPUSERAM A PRODUZIR MATERIAL COMIGO. E mesmo que eu não fosse estudante da área e mesmo que eu não estivesse planejando colocar minhas ideias no papel, eu AINDA TERIA TODO O DIREITO de pensar por mim mesma, eu ainda teria todo o direito de fazer minha militância pessoal. Mas o tema pra quem é desonesto só serve pra espalhar mentiras e fofocas. Todos os dias, recebo inbox com prints e mensagens de pessoas indignadas pela forma como estão apontando pra mim com base em mentiras e fanatismo. Todos os dias eu recebo perguntas hostis no ask.fm com tom de deboche, supondo que eu sou libfem sendo que: se eu me identificasse totalmente com feminismo liberal, estaria assumindo isso com a mesma coragem que estou aqui dizendo que não sou e que não preciso ser. Outras foram além, insinuando que não sou feminista por não ser radfem ou libfem. Como se só essas duas possibilidades existissem. Como se eu não pudesse ser minha própria possibilidade. Como se minha vivência pessoal não valesse absolutamente nada só por eu não me identificar com determinados posicionamentos, assumidos por essas pessoas que me ofendem e humilham simplesmente por não ser como elas. E são as mesmas pessoas que erguem suas placas sobre sororidade mas que só abaixam a placa e carregam no colo quem lhes convém. São as mesmas pessoas que panfletam sororidade mas que selecionam currículos de militância e só abraçam as mulheres que colocam ali o que elas querem ler, ouvir, dizer. Que tipo de sororidade é essa que cala uma mulher de forma tão arbitrária e covarde? Que tipo de sororidade é essa em que suas praticantes me atacam no Ask, mas quando retiro a opção de enviar mensagens em anônimo, somem? Que tipo de sororidade covarde, mentirosa, seletiva e interesseira é essa? Se eu não sou acolhida por pessoas que agem dessa forma, então não tenho razões pra achar que estou no caminho errado, já que não faço feminismo pra ganhar palmas e muito menos preciso de aprovação de qualquer pessoa que seja pra lutar no feminismo.

Perdi tempo demais da minha militância sofrendo por me sentir silenciada e humilhada por outras mulheres, mas decidi escrever isso aqui pra expor a situação, de modo que quem me conheça através dos boatos desonestos tenha minha versão dos fatos. Eu me recuso a ficar prostrada servindo minhas costas como degrau pra quem precisa de escada pra brigar. Eu me recuso a ceder ao incômodo de vocês, eu me recuso a ceder aos ataques. Eu não tenho medo de enfrentar todos os dias o patriarcado com a minha militância e também não tenho medo de enfrentar todos os dias pessoas desonestas, pois sei que elas estão distribuídas por todos os lugares, inclusive nas causas sociais. EU ME RECUSO A FICAR CALADA POR NÃO AGRADAR VOCÊS. Eu me recuso a sufocar minhas ideias pessoais por não ter a aprovação de pessoas mesquinhas. Eu me recuso a ignorar as muitas mensagens que recebo de pessoas me agradecendo por ter apresentado o feminismo à elas, por ter tentado ajudá-las e acolhê-las, e tenho muito orgulho disso. Eu me recuso a parar de lutar por essas pessoas e pelas que ainda vão conhecer o feminismo através do meu trabalho e do trabalho de quem está lutando pra conseguir direitos e dignidade, ao invés de estar perdendo tempo e energia atacando pessoas por pura vontade de se alimentar de brigas e precisar disso pra se sentir importante. Eu me recuso a não ajudar qualquer uma de vocês que me atacam hoje, como nunca me recusei e nunca o farei pois a minha sororidade não é seletiva e eu luto também por vocês.

Anúncios

4 comentários sobre “feminismo diagonal: o início e o não fim

  1. Quero expressar publicamente solidariedade pela situação que você está passando e me colocar à disposição para sua pesquisa. Também sou acadêmica e pesquisadora, também não me identifico nem com radfem nem com libfem no momento e também me doi muito a dificuldade que certos movimentos sociais têm em fazer autocrítica. E repudio totalmente posturas opressivas dentro de qualquer movimento feminista.

  2. é uma pena que exista tanta briga entre vertentes do próprio feminismo. eu não me vejo dentro de uma vertente pelos mesmos motivos que você, concordo com aspectos diferentes de várias e sempre aprendo com elas; mas principalmente porque demarcar esse limite dentro do próprio mundo feminista é assumir uma luta contra as minhas próprias irmãs e eu não quero isso, quem quer é o patriarcado. nossa luta precisa ser contra o que está fora, não com subdivisões do nosso movimento.

  3. Nossa, te entendo muito.
    Eu visitava um blog excelente sobre slut shaming e, como ainda estava aprendendo sobre o assunto – e deixei isso bem claro para o pessoal que debatia por lá – avisei que poderia errar ou simplesmente discordar de algumas opiniões. No inicio, as pessoas entenderam, mas aos poucos vi o massacre que impunham, caso vice discordasse da pessoa que escreve o blog ou dos comentaristas mais assíduos.
    No feminismo, se aprende muita coisa, mas também algumas das mulheres são nervosissimas em seus argumentos e, se você discorda, você está erradx.
    Abraços.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s